Ultimas Novidades

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Aprovados no PSCT 2016 são convocados para pré-matrículas.



O IFPB divulgou hoje (21) o edital de pré-matrícula para os aprovados na primeira chamada do Processo Seletivo de Cursos Técnicos (PSCT) 2016, modalidades integrado e subsequente, presencial e a distância.  As datas de entrega da documentação segue calendário específico em cada Campus, ocorrendo no mês de janeiro.




A documentação básica exigida é:
  •      1 (uma) foto 3X4 (colocar nome no verso);
  •        Certidão de Nascimento ou de Casamento;
  •        Carteira de Identidade (RG), constando data de expedição;
  •        CPF;
  •    Certificado de Alistamento Militar (CAM) ou Certificado de Dispensa de Incorporação (CDI) – só para candidatos do sexo masculino e maiores de 18 anos;
  •       Título Eleitoral e comprovante de quitação eleitoral – só para maiores de 18 anos;
  •        Cartão do SUS;
  •        Histórico escolar e certificado de conclusão do ensino Fundamental (para o técnico integrado) e histórico escolar e certificado de conclusão do ensino fundamental (para o técnico subsequente).


Há ainda documentação específica para candidatos que optaram pelo ingresso por meio das cotas. A lista e as declarações constam no edital.

Clique no link abaixo e confira o edital sobre a matrícula:


Alunos da rede municipal de Ensino de São Domingos e Cajazeirinhas são aprovados no Processo Seletivo para o ingresso nos cursos técnicos - integrado da IFPB.






A Comissão Permanente dos Concursos Públicos (Compec) do IFPB divulgou nessa segunda-feira (21) o resultado do Processo Seletivo dos Cursos Técnicos Presenciais nas modalidades integrais e subsequentes– PSCT 2016. As provas foram realizadas no dia 9 de novembro de 2015.

Em nome dos professores e funcionários da Escola Municipal de Ensino Fundamental “Janduhy Carneiro” e da Escola Municipal “Maria Marques de Assis” quero parabenizá-los pela aprovação no processo seletivo para o ingresso na IFPB. É motivo de grande orgulho e satisfação compartilhar essa alegria que estamos sentido perante essa grandiosa conquista.  Sabemos que as adversidades e as dificuldades foram enormes durante o ano letivo, mas não foi capaz de atrapalhar essa bela conquista. Esse resultado é mais uma prova da demonstração do potencial de vocês.

Aproveito a oportunidade de agradecer o apoio dos professores, diretores, secretaria de educação e todos aqueles que contribuíram direta ou indiretamente para essa linda vitória. Muito Obrigado! 

Relação dos aprovados da Escola Municipal “Maria Marques de Assis” – São Domingos-PB

Técnico em Informática - Integrado - Sousa (SEDE) - Integral

RICARDO ALMEIDA FERNANDES
SABRINA FERNANDES COSTA
SUSANA DE ALCÂNTARA SILVA
MARCELO SOARES DA SILVA TOMÉ
VIRGÍNIA DE SOUSA NEVES
MARTA GERUZA XAVIER NÓBREGA
JOSÉ HEWERTON DOS SANTOS OLIVEIRA

Remanescentes:

MARCOS AURÉLIO DE SOUSA SILVA


Técnico em Agroindústria - Integrado - Sousa (São Gonçalo) – Integral

MARIA EDUARDA DANTAS CESAR

Técnico em Meio Ambiente - Integrado - Sousa (São Gonçalo) – Integral

TAMIRIS RENATA DA SILVA FERREIRA

Remanescente:

RAFAEL FERNANDES DA SILVA


Relação de aprovados da Escola Municipal “”Janduhy Carneiro” – Cajazeirinhas-PB


Técnico em Agropecuária - Integrado - Sousa (São Gonçalo) – Integral

MARIANA DOS SANTOS ÂNGELO
LUCAS LEITE DA NÓBREGA

Técnico em Meio Ambiente - Integrado - Sousa (São Gonçalo) – Integral

BEATRIZ TÁGLIA FERREIRA DA SILVA
MARIA EDUARDA AGOSTINHO LIMA
JULIANE DOS SANTOS ALMEIDA
ANA BEATRIZ DE SOUSA FERREIRA
ISABEL CRISTINA CAVALCANTE DOS SANTOS
KAMILA ALVES DA SILVA

Remanescentes:

SANALLY MARIA ALVES DANTAS
ANTÔNIO CARLOS DA SILVA ANGELO
ILDA ALVES DO NASCIMENTO

Acesse o link abaixo e tenha acesso ao desempenho de cada um de vocês


Desejo que Deus continue abençoando a caminhada vitoriosa de todos vocês .Parabéns!!!!


FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

IMPEACHMENT




Impeachment é um termo de origem inglesa que significa impedimento e é aplicado a um chefe de Estado para afastá-lo de seu cargo.

Hoje em dia, na maioria dos países onde a democracia representativa e o sistema presidencialista estão em vigência, há a possibilidade de o presidente da República ser afastado do poder em casos de crimes contra o bem público, previstos em suas Cartas Constitucionais, por meio de um processo de impeachment. Esse tipo de processo remonta à tradição política inglesa e também às mais antigas civilizações. Um caso clássico é o ostracismo, que ocorria no seio da civilização ateniense, na Grécia Antiga.

Impeachment na História

O termo impeachment significa “impedimento”e apareceu pela primeira vez na segunda metade do século XIV, já nos fins da Idade Média. Em 1376, o Lord Latimer foi alvo de um processo da Câmara dos Comuns (Parlamento Inglês), o que se configurou como o primeiro processo de impeachment do mundo. Nesse processo foram definidos os primeiros trâmites que seriam aperfeiçoados no decorrer dos séculos.

O modelo inglês logo foi incorporado pela maioria das nações em que passou a vigorar a democracia representativa. Os Estados Unidos foram uns dos primeiros a incluir a noção de impeachment em seu ordenamento jurídico. O uso dessa prerrogativa foi posto em execução na década de 1970, quando o então presidente Richard Nixon foi afastado do cargo em razão escândalo de Watergate.

Entre nós, brasileiros, o único presidente a sofrer impeachment, até então, foi Fernando Collor de Melo, em 1992. Mas a previsão de impedimento do cargo para presidentes da República estava inclusa na legislação brasileira desde a primeira constituição republicana, outorgada em 1891. Com o processo de redemocratização do Brasil, iniciado em 1985, após a vigência dos Governos Militares, foi elaborada e aprovada uma nova Constituição em 1988. Essa Constituição (vigente até hoje), além de assegurar as liberdade individuais e as eleições diretas, também conservou em sua estrutura a possibilidade de impeachment para o Presidente da República. Quaisquer atitudes que o Presidente faça que atentem contra os itens elencados abaixo podem desencadear um processo de impeachment.

1) a existência da União;

2) o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da Federação; 

3) o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais;

 4) a segurança interna do País; 

5) a probidade na administração; 

6) a lei orçamentária; 

7) o cumprimento das leis e das decisões judiciais.

Como acontece um impeachment?

Se houve alegações contra o presidente da República, o processo de impeachment desenrolar-se-á em seis fases: 

1) Pedido, 
2) Acolhimento,
 3) Primeira votação (na Câmara), 
4) Envio para o Senado,
 5) Segunda votação (no Senado) e
 6) Penalização. Entenda melhor como essas fases ocorrem:

O pedido do impeachment pode ser apresentado à Câmara dos Deputados (uma das casas do Parlamento Brasileiro) por qualquer cidadão que goze plenamente de seus direitos políticos. No pedido, é necessário que haja a devida caracterização do crime cometido pelo presidente. A partir daí, o presidente da Câmara tem o poder de decidir se há procedência no pedido e se ele será arquivado ou encaminhado aos parlamentares. Se o acolhimento for favorável ao andamento do pedido, o presidente da Câmara o encaminhará aos deputados federais.

Os deputados recebem o pedido e formam uma comissão para apreciá-lo em dez sessões. Nesse tempo, o presidente da República tem a possibilidade de apresentar a sua defesa. Há uma primeira votação na Câmara. Se 2/3 dos deputados optarem pela continuidade do processo, este seguirá para o Senado Federal, onde será montada outra comissão para apreciação. Nessa fase, o presidente da República é obrigado a se afastar de seu cargo por um período de 180 dias, até que ocorra a votação no Senado. A sessão com os senadores é presidida pelo presidente do Superior Tribunal Federal. É necessário também que 2/3 dos senadores votem a favor para que o impeachment se cumpra. Se a votação for favorável, o presidente da República é condenado, afastado do cargo e fica inelegível por oito anos. Seu posto é sumariamente ocupado pelo seu vice.

Por Me. Cláudio Fernandes

Fonte: Brasil Escola