Ultimas Novidades

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

50 anos do assassinato de Malcolm X



Malcolm X, líder religioso e nacionalista afro-americano, foi assassinado em 21 de fevereiro de 1965, no bairro novaiorquinho do Harlem pela entidade rival Black Muslims (Muçulmanos Negros) quando discursava para sua organização, a Unidade Afro-americana.

Malcolm Little nasceu em Omaha, Nebraska, em 1925. Era filho de James Earl Little, um pregador batista que defendia os ideais nacionalistas dos negros de Marcus Garvey. Ameaças vindas da organização racista Ku Klux Klan obrigaram a família a se mudar para Lansing, Michigan, onde seu pai seguiu com seus sermões.

Em 1931, o pai de Malcolm foi brutalmente assassinado pela Legião Negra, uma entidade que defendia a supremacia branca. As autoridades de Michigan se recusaram a processar os responsáveis. Em 1937, Malcolm foi tirado da família por assistentes sociais. Nessa altura, com idade para começar a cursar o ensino médio, abandonou a escola e mudou-se para Boston, onde se envolveu cada vez mais com atividades delituosas.

              Malcolm X e Martin e Luther King Jr.


Em 1946, aos 21 anos, Malcolm foi preso, acusado de roubo. Na prisão, se deparou com os ensinamentos de Elijah Muhammad, o líder da Nation of Islam (Nação do Islã), cujos membros eram conhecidos como Black Muslims. A Nação do Islã defendia o nacionalismo negro e o separatismo racial e condenava os norte-americanos descendentes de europeus como “demônios imorais”. As teses de Muhammad impressionaram vivamente Malcolm, que resolveu fazer um intenso programa como auto-didata. Trocou seu sobrenome por um simples “X” para simbolizar o roubo de sua identidade africana.


Seis anos depois, Malcolm foi libertado e se tornou ministro da Nação do Islã no Harlem. Ao contrário de líderes dos direitos civis, como Martin Luther King, Malcolm X defendia a autodefesa e a libertação dos afro-americanos “por todos os meios necessários”. Orador fogoso, Malcolm era admirado pela comunidade negra de Nova York e de todo o país.

Fonte: Operamundi

Nenhum comentário :

Postar um comentário